terça-feira, 6 de julho de 2010

Somente palavras

Acordo com a grande montanha gelada mirando um povo bueno, com frio, porém feliz.
Acordo longe de casa, mas com um povo que me abraça a cada abrir dos olhos.
Ainda vejo pobreza, ainda vejo as diferenças, mas a cada dia que passa vejo mais corações, de pessoas que se ajudam, que sofrem juntas,qurendo algo melhor.
O Frio árduo existe, mas também prevalece o sentimento de dividir o ultimo jornal molhado com que se tapa,a ultima folha de coca que se masca,o ultimo valor benéfico que se tem na alma.
E começa o dia, todos loucos, correndo atras de caronas,em vans micro pequenas; se como algo antes, pode ser um polho:um frango frito boliviano, um pão, ou nada.
As ladeiras parecem cada dias mais lindas com um sol reluzente a iluminar esse povo.
Conforme o dia passa se ve mais contrastes, se vê carros com espelhos no capô, se ve crianças em cima de caminhões pegando carona para ir para escola, se ve uma policia que cuida do transito, porém não sei o que fazem pois todos andam sem capacete, sem cinto, sin seguridad.
Muitos carros de luxo com pessoas brancas dentro, olhando com olhos tortos.Muita simpatia no rosto do povo, muita vontade de trabalhar, com os poucos recursos que se tem, ter um serviço é um dádiva.
E os idosos continuam nas calçadas pedindo; num sonho que não deu certo.Sair do campo para vir para a cidade grande fazer a vida.Acho que já vi algo parecido no Brasil...
Se trabalha, se almoça, o sino bate ao final da tarde.Sim, vamos durmir, amanhã é outro dia.

3 comentários:

  1. poético e inspirador...

    abs

    sm comentários

    ResponderExcluir
  2. Muito poetico e profundo...
    Adoreiii...

    ResponderExcluir
  3. Rei do mundo.

    Fala mais sobre as putarias bolivianas.

    ResponderExcluir